26 de ago de 2009

um dia, um(s) dia(s) atrás.

...E eu vou afogar as mágoas em balinhas de menta, e me afogar em lágrimas. Chegar em casa, tirar os tênis, não comer nada – além das balas de menta – e ouvir um Beatles. Olhar para a lua, que sorri com desdém pra mim, e todo meu rancor/tristeza/agonia/pesar/?; vou limpar meu rosto, e ver que a expressão estampada não é nada alegre; pensar que o único abraço que ganhei em duas semanas foi por um pedido de desculpas, e não por sentimento verdadeiro; saber que o dia tinha tudo para ser bom, mas de BOM não teve nada. matérias chatas, pessoas insuportáveis, se preparar para colar em provas amanhã, expectativas erradas (e agora eu não espero mais nada, também); chegar em casa e não ter meu isqueiro é deprimente. Agora? Bem, eu vou rolar de um lado pro outro na minha cama-de-casal-super-espaçosa-que-tem-espaço-para-quatro-tay’s, não vou conseguir dormir, vou sentir vontade de desfazer desfalar descoisiar tudo o que eu tenho feio nos últimos tempos, não vou poder dormir de bruços, vou refazer tudo de novo, mandar uma mnsg e ainda vou pouco me foder prá tudo isso. Vou pensar 20 vezes antes de postar esse texto ou não, ou postar amanhã, ou não postar nunquinha; vou olhar pela janela outras vinte vezes e não vou sorrir em nenhuma delas. “Seja forte, homens não choram.” Praticamente um homem pros outros, a guria mais babaca que eu conheço, por dentro. E isso tudo era o OBVIO, e que eu não soube ver.

Nenhum pensamento terminado, todos pela metade, assim como tudo tem sido ultimamente. Incompleto.

~
olhe para o mundo e diga o que você não quer falar, porque sua vida está incompleta (8)

Um comentário:

Augusto disse...

Na minha cama tem espaço para quatro tay's =P